/> Bebê abandonado em Paraguaçu no começo de março, recebe alta em Alfenas

Galeria

Bebê abandonado em Paraguaçu no começo de março, recebe alta em Alfenas

Bebê foi resgatado por policiais em terreno de Paraguaçu (MG) (Foto: Polícia Militar)

O bebê que em março foi abandonado em um terreno na cidade de Paraguaçu, no Sul de Minas, e estava internado no hospital Alzira Velano, em Alfenas, na mesma região, teve alta nesta sexta-feira (6). 
A criança, segundo assessoria do centro de saúde, está completamente saudável e saiu com a mãe, uma adolescente de 15 anos. 
A criança ficou internada por 36 dias, e segue sendo amementado no peito, sem sequelas ou problemas de saúde. Quando foi internado, Pietro estava em estado gravíssimo, e tinha marcas de picadas de insetos por todo o corpo.


O bebê foi encontrado por um policial militar, no começo do mês passado. Na época, a mãe disse à polícia que o abandonou por medo da família.

Entenda o caso

O bebé foi abandonado logo após o nascimento em um lote vago de Paraguaçu, onde ficou desprotegido sob chuva, sol e frio. Ele foi resgatado por policiais militares, que fizeram os primeiros socorros. O menino foi encaminhado para o pronto-socorro de Paraguaçu, onde recebeu os primeiros atendimentos, e depois levado pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para o Hospital Alzira Velano.
A mãe da criança foi localizada pela Polícia Militar depois de uma denúncia. Ela é uma adolescente de 15 anos, que foi apreendida e levada à delegacia. Durante depoimento, a jovem disse que teve o filho dentro da própria casa na quarta-feira (28) e o deixou no terreno baldio. Ela foi liberada após assinar um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO).

O bebê chegou ao hospital em estado gravíssimo, sem sinais de violência, mas com marcas de picadas de insetos no pescoço e no olho esquerdo. Lá, superou um índice de 1,25% de chance de sobreviver. Depois passou a respirar sem a ajuda de aparelhos e melhorou até receber alta na tarde desta sexta-feira.

Postagem em destaque

Pelo menos 9 casos estão com suspeita de coronavírus em Minas Gerais