Entra ano e sai ano e a Black Friday continua foco de muita confusão. No Facebook, os golpes seguem os mesmos, ainda que os usuários estejam mais espertos. De acordo com o dfndr lab, laboratório de pesquisas de segurança da PSafe, a rede social já soma mais de 300 páginas falsas que oferecem promoções (igualmente falsas) utilizando marcas registradas de lojas varejistas. ( As informações são do Tecnoblog )


Desse total, 96 foram criadas especificamente para a Black Friday, já que o evento aparece no nome de cada uma. As outras são páginas genéricas (e, lembrando, falsas) que já utilizavam marcas de lojas famosas e começaram a compartilhar descontos inexistentes. Juntas, elas somam mais de 20 mil curtidas; seu objetivo é roubar dados pessoais e de cartão de crédito do usuário que acreditar nas ofertas.

Chama a atenção que 83 dessas páginas usam o recurso de botões de ação do Facebook, como o “Comprar agora”, para estimular a compra por impulso. O botão leva o usuário a um site falso da mesma marca usada no Facebook.

É aí que a coisa complica: no site falso, o usuário encontra os produtos mostrados nos posts do Facebook com grandes descontos. Trata-se de páginas espelho que copiam exatamente todo o layout do e-commerce, fielmente, incluindo o carrinho de compras.


Entre os screenshots mostrados pelo dfndr lab estão páginas que copiam:
  • Americanas;
  • Magazine Luiza;
  • Mercado Livre;
  • Ponto Frio;
  • Walmart.
Caso a vítima siga todo o fluxo compra como se estivesse realmente adquirindo o produto em um site legítimo, vai acabar incluindo dados de cartão de crédito. Ao final, recebe-se até a mensagem de que a compra foi concluída, com número do pedido.

Como não ser enganado por páginas falsas do Facebook

Essas lojas citadas na lista acima, porém, são varejistas confiáveis e que têm suas próprias páginas no Facebook, oferecendo ofertas reais com preços realmente bons. Distanciar-se da rede social pode significar perder promoções realmente boas, e o que o usuário precisa é saber diferenciar quem é quem na plataforma (que segue com páginas falsas…). Na pressa, alguém mais distraído pode acabar caindo nessa.


Em caso de dúvida sobre os anúncios, perfis ou páginas, o Facebook reuniu dicas simples e que podem ser úteis na identificação de empresas e promoções legítimas.
  1. Procure o selo azul de página verificada:
    As páginas de grandes empresas normalmente são verificadas e contam com um selo azul depois do nome, embaixo da foto de perfil, no canto superior esquerdo;
  2. Veja recomendações e avaliações:
    Já para as empresas de menor porte, fique atento aos comentários nas publicações (principalmente anteriores a Black Friday), assim como a data de criação da página;
  3. Veja detalhes da Página:Você também pode verificar o histórico das páginas, que mostra se ela teve seu nome alterado, ou se foi mesclada com outra. O Facebook não permite mudanças de nome de páginas que resultem em conexões falsas ou não intencionais, e que alterem substancialmente o seu assunto. Como faz isso? Basta clicar no “i” localizado no canto inferior direito da foto principal da página dos produtos;
  4. Cuidado com links externos:Tenha atenção especial com páginas ou links que te direcionam a um site externo ao Facebook, ou então que exigem algum tipo de compartilhamento para obtenção de um prêmio, um cupom ou desconto. Confira antes se o endereço externo é confiável;
  5. É bom demais pra ser verdade:
    Sempre desconfie de ofertas com desconto muito alto. Se o produto ou serviço está com com preços muito abaixo dos valores médios praticados no mercado, pode ser um indicativo de fraude. Use comparadores de preço e o Assistente de Compras;
  6. Reporte Spam: 
    Se você encontrou algo que acha que é spam, falso, um golpe contra os usuários da plataforma, ou tenha alguma irregularidade.

Como as páginas falsas enganam usuários no Facebook

Até a publicação deste post, as páginas “Magazine Lançamentos”, “Walmart BlackFriday”, “Mercado Livre BlackFriday Cupom R$ 150”, “Neste Mês Tem Oferta”, “Sempre no Black Friday 85 OFF”, “Esquenta Black Friday” e “Esquenta Black Friday Wal” seguiam no ar, compartilhando promoções falsas em sites também falsos, criados para roubar dados.

Os posts ficaram um pouco mais sofisticados. Atualmente, a página compartilha o link original do produto na loja alvo (legítima) e um link encurtado junto (não incorporado), que vai para uma página falsa (atualmente bloqueadas pelo Google Chrome).