/> Queimadas na Amazônia provocam ‘corredor de fumaça’ na América do Sul

Galeria

Queimadas na Amazônia provocam ‘corredor de fumaça’ na América do Sul

 Ao final da temporada de fogo na Amazônia, o Greenpeace registrou o estrago deixado pelas queimadas na região entre os estados do Amazonas, Acre e Rondônia. (Foto: © Daniel Beltrá / Greenpeace) 
Um corredor de fumaça proveniente das queimadas na Amazônia desce pela América do Sul desde a semana passada, atingindo o Centro Oeste, o Sudeste e o Sul do Brasil, e países vizinhos como Argentina, Uruguai, Peru e Bolívia. Embora o fenômeno ocorra todos os anos entre agosto e setembro, devido à temporada seca, ele chamou a atenção depois que uma mistura de fumaça com a frente fria que atingiu o estado de Minas Gerais São Paulo escureceu a região no meio da tarde de ontem (19).


A fumaça provocada pelas grandes queimadas no sul da Bolívia e no Paraguai no fim de semana contribuiu para a intensidade do fenômeno. A fumaça dos incêndios atravessou o Paraná, Mato Grosso do Sul, atingiu o estado de São Paulo e chegou a alcançar Minas Gerais, somando-se à fumaça provocada pelas queimadas amazônicas.

Segundo a empresa de meteorologia MetSul, a cor da fumaça que cobriu São Paulo é um dos indícios de que ela também vem da Bolívia.”A cor da fumaça que vem da região amazônica é esbranquiçada, e a fumaça que veio da Bolívia e do Paraguai é marrom. E o que estava sobre o estado de São Paulo era marrom”, afirmou a empresa, ao UOL.


Imagem de satélite da Nasa mostra o corredor de fumaça da Amazônia sobre a América do Sul na segunda-feira (19) Imagem: Reprodução
De acordo com a MetSul, os ventos da Amazônia sopram de leste para oeste, entrando no continente pelo Nordeste do Brasil em direção aos Andes, onde encontram uma grande parede de montanhas de até 5 mil metros na cordilheira.


 O fogo na floresta oferece risco às pessoas e aos animais e contribui para aumentar as emissões de gases que causam o aquecimento global. (Foto: © Daniel Beltrá / Greenpeace) 
 A fumaça, que costuma concentrar-se entre 1.500 e 2.000 metros de altitude, não consegue ultrapassar esta barreira e desce em direção ao sul da América do Sul, passando por Peru, Bolívia, pelo Centro Oeste do Brasil e pelo Paraguai, até chegar ao sul do Brasil 

 Com os fortes ventos e as queimadas na Bolívia e no Paraguai, a fumaça acabou atingindo São Paulo e Minas Gerais. Embora seja comum que haja queimadas em agosto, a MetSul afirma que o número de focos em 2019 está acima da média dos últimos anos.




Postagem em destaque