O crime de clonagem de whatsapp já atingiu 8,5 milhões de brasileiros, segundo pesquisa realizada por uma empresa desenvolvedora de aplicativos de segurança. O levantamento mostra que, a cada dia, 23 pessoas são vítimas dessa modalidade de golpe em todo o país.

Golpistas invadem celulares e enviam mensagens para a lista de contato pedindo dinheiro. — Foto: Reprodução / Minas em Foco
A administradora de empresas, Regina Batista, de 47 anos, residente em Pouso Alegre, registrou um boletim de ocorrência  nesta terça-feira (14), na Polícia Civil, após perceber que a sua conta de whatsapp havia sido invadida e um estelionatário enviar mensagens para seus amigos e clientes pedindo dinheiro.



Segundo disse a administradora ao Minas em Foco, que foi vítima de golpe. Ela disse que bandidos clonaram o seu WhatsApp e, se passando por ela, pediram dinheiro para os seus contatos. A prática se tornou comum na internet, especialmente contra pessoas que anunciam em sites de venda.

Veja também:
Curta pagina do Minas em Foco, e fique bem informado. 

Ela contou que recebeu uma mensagem pelo aplicativo WhatsApp, onde o golpista dizia para ela enviar mensagem pelo SMS. E assim ela fez. Em seguida, após desligar o telefone, percebeu que sua conta do WhatsApp ficou fora do ar, se dando conta que havia caído em um golpe. O golpista passou a pedir dinheiro para os seus contatos. 

Como funciona
Para clonar a conta de Whatsapp, o cibercriminoso cadastrou indevidamente o número de telefone da vítima em outro celular e, após esse processo, um SMS contendo um código de liberação de acesso foi enviado ao celular dela, para confirmar a operação.

Foi justamente esse número que a vítima passou ao bandido.

Cuidados
Para especialistas, as pessoas que invadem a conta do Whatsapp estão em busca de benefícios financeiros. Eles atuam com o método chamado de engenharia social, que é quando há a manipulação de pessoas para conseguir informações as quais não deveriam acessar.

O hacker explora alguns dados que são conhecidos da pessoa e na própria conversa com ela, a vítima fornece a informação. Eles também enviam, aleatoriamente, mensagens com vírus. 



Quando a pessoa abre no celular, ela acaba infectando o aparelho e podem utilizar várias técnicas, uma delas é colocar um aplicativo, onde tudo que a pessoa digita, vai uma cópia para o hacker. Com essas informações, ele tem acesso a contas bancárias e pode fazer transferências. Ou seja, ele usa esses dados para cometer crimes.

O usuário jamais deve informar a terceiros o código de liberação de acesso do whatsapp. É importante, além disso, ativar a verificação em duas etapas para reforçar a segurança da conta e evitar conectar o celular em redes wi-fi desconhecidas.Da redação Toni Oliveira - Minas em Foco / É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo )