Auxílio emergencial será pago nesta sexta para mais de 1 milhão  de pessoas - LUCAS TAVARES/ZIMEL PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
A Caixa Econômica Federal (CEF) libera, neste sábado (18), o pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 a 1.420.466 pessoas inscritas no aplicativo ou site do serviço. Os usuários com direito a sacar o dinheiro são aqueles com contas em bancos que não sejam a própria CEF.


Até esta sexta-feira, R$ 11,36 bilhões já haviam sido pagos a pelo menos 16,6 milhões de brasileiros. De acordo com o calendário divulgado pelo banco no início desta semana, receberam a 1ª parcela 1,3 milhão de beneficiários do Bolsa Família cujo último digito do NIS é igual a 2; 1,9 milhão de nascidos entre setembro e dezembro inscritos no Cadastro Único (CadÚnico), mas que não estão no Bolsa Família; e 3,4 milhões de trabalhadores informais que não estão no CadÚnico, mas fizeram o cadastro pelo site.


Ao todo, 45,2 milhões de pessoas já haviam sido aprovadas para receber o auxílio emergencial, segundo a Dataprev.

Saque em dinheiro
Ao todo, o governo federal vai pagar três parcelas de R$ 600. A segunda será no fim deste mês, entre 27 e 30 de abril. A terceira, entre 26 e 29 de maio.


Na primeira fase, não haverá saques em espécie, apenas depósitos em contas. Ou seja, o dinheiro só poderá ser movimentado eletronicamente.

A partir de 27 de abril, será liberado o auxílio emergencial para saque. Neste caso, depende da data de nascimento dos beneficiários. Veja o calendário:

27 de abril – nascidos em janeiro e fevereiro
28 de abril – nascidos em março e abril
29 de abril – nascidos em maio e junho
30 de abril – nascidos julho e agosto
04 de maio – nascidos em setembro e outubro

05 de maio – nascidos em novembro e dezembro

CadÚnico é obrigatório?
Não é preciso estar no CadÚnico para receber o auxílio emergencial. Neste caso, o brasileiro deve fazer o cadastro no site ou no aplicativo.

Além disso, é preciso ser trabalhador informal, microempreendedor individual (MEI) ou contribuinte do INSS. É obrigatório ter mais de 18 anos e não ter recebido rendimentos tributáveis, em 2018, acima de R$ 28.559,70.